Minha missão.


Minha missão nessa vida é fazer valer a vida. Seja através do exemplo, através das metáforas, das dinâmicas, das histórias lidas e observadas, através dos jogos ou dos vários depoimentos que brotam durante nossos encontros.
Observo que muitas pessoas sentem-se entristecidas porque julgam-se incapazes de criar, de mudar,de dar um outro rumo à sua própria vida, fazendo dessa vida, um estímulo para o dia-a-dia, para os desafios que o viver implica.
Penso que essa força vem da convicção de que podemos, de que temos essa condição de renovação, de criação e de competência.
Meu trabalho é fazer com que as pessoas vejam isso em si mesmas a partir de sua individualidade e de seu próprio talento.
Esse "ver" não é mágico. Ele existe a partir da nossa vontade de perceber, primeiro, a nossa própria existência e, em decorrência dela, a nossa grande capacidade de renovação e de reconstrução.
A resposta a isso tudo quem traz é cada um daquele que indaga. Na verdade, todas as nossas questões têm a nossa resposta em nós mesmos.
A minha proposta aqui, portanto, é fornecer textos, hitórias, metáforas, jogos que nos façam encontrar a NOSSA própria resposta.
Posso fazer isso por aqui, ou até atendendo grupos, bastando para isso entrar em contato especificando a sua necessidade ou a de seu grupo.
É claro que esse blog ficará muito mais rico se puder contar com SUA história, seu depoimento e suas respostas que, seguramente, ajudarão outras pessoas.
Aqui é um ponto de encontro.
Participe dele.
Entre na roda.
Haverá citações sobre as quais poderemos refletir, assim como textos e até exercícios de visualização e relaxamento.

Espero você.



Recebendo flores..

Recebendo flores..
SENAC Nova Friburgo 2007

Em sala de aula

Em sala de aula
Turrma de Segurança do Trabalho -2008

Cruso de Estética

Cruso de Estética
SENAC Nova Friburgo

segunda-feira, 24 de novembro de 2008

Enxergar melhor a mim mesmo.

Nenhum comentário:

Canto das Metáforas.

Mestre Ramesh (crises)

Certa vez, perguntei para o Ramesh, um de meus mestres na Índia:
- Por que existem pessoas que saem facilmente dos problemas mais complicados, enquanto outras sofrem por problemas muito pequenos, morrem afogadas num copo de água?
Ele simplesmente sorriu e contou-me uma história:
Era uma vez um sujeito que viveu amorosamente toda a sua vida. Quando morreu, todo mundo lhe falou para ir ao céu, um homem tão bondoso quanto ele somente poderia ir para o Paraíso. Ir para o céu não era tão importante para aquele homem, mas mesmo assim ele foi até lá.
Naquela época, o céu não havia ainda passado por um programa de qualidade total. A recepção não funcionava muito bem. A moça que o recebeu deu uma olhada rápida nas fichas em cima do balcão e, como não viu o nome dele na lista, orientou-lhe para ir ao Inferno.
E no Inferno, você sabe como é. Ninguém exige crachá nem convite, qualquer um que chega é convidado a entrar. O sujeito entrou lá e foi ficando. Alguns dias depois, Lúcifer chegou furioso às portas do Paraíso para tomar satisfações com São Pedro:
- "Você é um canalha! Nunca imaginei que fosse capaz de uma baixaria como essa. Isso que você está fazendo é puro terrorismo!"
Sem saber o motivo de tanta raiva, São Pedro perguntou, surpreso, do que se tratava. Lúcifer, transtornado, desabafou:
- "Você mandou aquele sujeito para o Inferno e ele está fazendo a maior bagunça lá. Ele chegou escutando as pessoas, olhando-as nos olhos, conversando com elas. Agora, está todo mundo dialogando, se abraçando, se beijando. O inferno está insuportável, parece o Paraíso!" E fez um apelo:
- "Pedro, por favor, pegue aquele sujeito e leve-o de lá!"
Quando Ramesh terminou de contar essa história, olhou-me carinhosamente e disse:
- "Viva com tanto amor no coração que se, por engano, você for parar no Inferno o próprio demônio o trará de volta ao Paraíso."
Problemas fazem parte da nossa vida, porém não deixe que eles o transformem numa pessoa amargurada. As crises vão estar sempre se sucedendo e às vezes você não terá escolha. Sua vida está sensacional e de repente você pode descobrir que sua mãe está doente; que a política econômica do governo mudou e que infinitas possibilidades de encrencas aparecem.
As crises você não pode escolher, mas pode escolher a maneira como enfrentá-las. E, no final, quando os problemas forem resolvidos, mais do que sentir orgulho por ter encontrado as soluções, você terá orgulho de si mesmo.